USP Analisa discute possibilidades da tecnologia na educação


A tecnologia pode ser uma grande aliada na aprendizagem e até mesmo no incentivo à leitura. As possibilidades que ela oferece nesses segmentos estão chamando a atenção de várias startups, tanto que, segundo a Associação Brasileira de Startups, o setor educacional é o que mais atrai o interesse dessas empresas. Para discutir esse assunto, o USP Analisa desta semana conversa com o profissional de tecnologia e mídia digital Jean Rafael Tomceac, a fundadora da publicadora de livros digitais StoryMax Samira Almeida e o ex-gestor de educação e difusão do Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (CRID) Juan Azevedo.

Para eles, a tecnologia deve ser tratada como um instrumento de apoio à educação, sem a crença de que ela possa resolver todos os problemas. Os educadores também precisam de formação constante e atuar como tutores junto aos estudantes. “A gente tem a sensação de que as crianças sabem usar os dispositivos, mas não é verdade. Elas estão imitando as outras pessoas que elas veem. São vocês [professores] que devem saber usar e ensinar a elas como escolher um bom conteúdo na internet, como evitar fake news”, diz Samira.

“Não é só formação constante de professores. A gente sabe que você não consegue estudar tudo o que precisa. Você precisa estar preparado para a atualização [dos aplicativos e dispositivos]. A única solução é: use todos os dias, tente se manter informado. A partir do momento em que você acessa todos os dias, isso passa a fazer parte da tua rotina. O letramento digital que a tecnologia propõe, você vai incorporar sem perceber”, afirma Jean.

Os entrevistados falam ainda sobre o desenvolvimento do livro interativo digital O Mistério do Sr. Gratus, desenvolvido pelo CRID e pela StoryMax em parceria com o IEA-RP. O programa vai ao ar na Rádio USP em três horários: sexta (19) às 11h30 (somente para Ribeirão Preto), quarta (24) às 21h e domingo (28) às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.


Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira

Única instituição da América Latina a ter um acelerador de partículas, o Laboratório Nacional de Luz Síncrotron completou 30 anos no ano passado e está construindo uma nova fonte de luz, o Sirius, que vai permitir um avanço sem precedentes em pesquisas de diversas áreas.

Para discutir a importância do laboratório e desse projeto para a ciência brasileira, o Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) realiza no dia 19 de outubro, às 9h30, no Espaço de Eventos do IEA-RP, a conferência Sirius, a nova fonte de luz síncrotron brasileira.

No evento, o físico Antônio José Roque da Silva vai abordar as pesquisas desenvolvidas no LNLS, um dos quatro laboratórios que integram o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), do qual ele também é diretor.

Roque falará ainda sobre o andamento do Projeto Sirius, a maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no País e uma das primeiras fontes de luz síncrotron de 4ª geração do mundo. Esse projeto é 100% nacional e vai abrir enormes oportunidades para o estudo de materiais orgânicos e inorgânicos, fornecendo ferramentas de pesquisa de ponta inexistentes hoje no Brasil.

Antônio José Roque da Silva tem graduação e mestrado em Física pela Unicamp e pós-doutorados pela University of California em Berkeley e em Los Angeles. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências, docente do Instituto de Física da USP e diretor do LNLS e do Projeto Sirius. Atua na área de Física, com ênfase em Física da Matéria Condensada e Física Atômica e Molecular. 

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas clicando no botão abaixo.


Mais informações: iearp@usp.br ou (16) 3315 0368.

70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

O Espaço de Eventos do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto recebe a partir do dia 10 de outubro, às 8h, a mostra itinerante “USP Diversidade nos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos”.

A exposição é promovida pelo programa USP Diversidade, ligado à Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP. São 16 painéis que reproduzem os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos acompanhadas por composições artísticas do designer e estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP Victor Daibert.

O material tem como objetivo chamar a atenção para os temas tratados pelos artigos e para a atualidade desse documento, que, apesar de bastante difundido, tem seu conteúdo pouco conhecido pelas pessoas.

A mostra pode ser visitada no Espaço de Eventos do IEA-RP nos dias 10, 11 e 15 de outubro, das 8h às 17h. Mais informações pelo site:
http://prceu.usp.br/noticia/diversidade-nos-direitos-humanos.

USP Analisa debate autonomia universitária


Publicado em 1989, o Decreto 29.598 deu autonomia às universidades públicas paulistas sobre as áreas didático-pedagógica, administrativa e de gestão financeira. Trinta anos depois, o tema ainda suscita debates não apenas na comunidade universitária, mas na sociedade como um todo. Para discutir esse assunto, o USP Analisa desta semana traz José Roberto Drugowich e Paulo de Tarso Artencio Muzy, autores do livro Os Desafios da Autonomia Universitária – História Recente da USP, que conta os bastidores da publicação desse decreto e faz uma análise da autonomia universitária e da gestão na USP.



Eles destacam que o decreto possibilitou o fim de entraves a diversas atividades das universidades. “As universidades viviam até aquele momento da mesma forma que as secretarias: eram autarquias especiais, porém não tinham orçamento maleável, era um orçamento autorizado pela Assembleia. Durante o ano, qualquer mudança, variação, projeto novo, investimento precisava de autorização do governo. Então era uma negociação feita caso a caso, que exigia dos reitores um trabalho bastante complicado”, explica Drugowich.



Muzy lembra ainda que embora possa representar a possibilidade de obter novas fontes de financiamento para a universidade, a autonomia não deve ser discutida somente sob o ponto de vista financeiro. “O que a autonomia oferece é a capacidade da universidade se relacionar diferentemente com a sociedade, os setores produtivos e o governo para, por exemplo, encontrar fontes novas de financiamento. Isso é perfeitamente possível hoje. Essas medidas têm que ser olhadas num outro contexto, o contexto de uma gestão autônoma. E aí sim eu digo que isso é um desafio para a universidade”, diz.



O programa vai ao ar na Rádio USP em três horários: sexta (5) às 11h30 (somente para Ribeirão Preto), quarta (10) às 21h e domingo (14) às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Gamebook digital aborda conceitos sobre ecologia e inflamação

Equilíbrio ecológico, evolução e inflamação são temas comumente trabalhados em sala de aula. Mas e se os estudantes tivessem uma ferramenta mais divertida para entender esses e outros assuntos relacionados à Ciência? Essa é a proposta de O Mistério do Sr. Gratus, um gamebook digital desenvolvido pelo Centro de Pesquisas em Doenças Inflamatórias (CRID) e pela StoryMax com o apoio do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP. 

Baseada no sucesso do jogo Immuno Rush, lançado pelo CRID em 2016, O Mistério do Sr. Gratus é um livro digital interativo que permite escolher diversas possibilidades de caminhos para o personagem principal e assim construir diferentes desfechos para a história. Nele, o leitor atua como um leitor-jogador, ou seja, é o protagonista da história e não tem um caráter passivo, como nos livros tradicionais. 

O livro conta a história de Amanda, uma garota curiosa e corajosa que, acordada numa manhã por sua gata, mergulha em uma aventura cheia de mistério. As descobertas e aprendizados da menina vão fazê-la entender que o futuro é feito de pequenas escolhas diárias e depende de cada um de nós.

O roteiro foi desenvolvido pelo jornalista especialista em divulgação da Ciência Carlos Orsi, com revisão da pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da USP Natália Pasternak Taschner. 

Ao todo, são 46 telas com conteúdo literário e dez possibilidades diferentes de ler e criar a história, além de um mapa em que o leitor pode ver o trajeto percorrido e quais opções ainda não acessou. Paralelamente, ele também pode consultar um glossário de 15 telas com informações sobre temas como cadeia alimentar, equilíbrio ecológico, inflamações e evolução pela seleção natural.

O Mistério do Sr. Gratus está disponível gratuitamente na Google Play Store: http://bit.ly/GratusAndroid e na App Store: http://bit.ly/GratusApple

Sistema Ramos, produção textual e aprendizagem

O Laboratório de Psicologia da Educação e Escolar da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP promove no dia 11 de outubro, a partir das 14h30, no anfiteatro André Jacquemin, a palestra Sistema Ramos, produção textual e aprendizagem: evidências das atividades metalinguísticas de alunos enquanto escrevem.

O evento, que conta com o apoio do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP e Rádio USP Ribeirão Preto, faz uma reflexão sobre o processo de produção de texto pelo estudante, o papel do professor e a importância das propostas de produção textual colaborativas, além de apresentar o Sistema Ramos, um sistema de captura multimodal (audiovisual e escrita) de processos de escritura em tempo e espaço real da sala de aula. 

Esse sistema permite que o professor compreenda o modo de pensar do aluno e eventuais dificuldades que ele teve durante a produção do texto, como a grafia de uma palavra, a pontuação adequada ou o melhor título para uma história. 

O palestrante, o docente da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Eduardo Calil, vai utilizar filmes coletados no contexto da sala de aula para mostrar como alunos recém-alfabetizados com idade entre 6 e 7 anos e de diferentes nacionalidades comentam problemas linguísticos identificados durante a produção textual.

Eduardo Calil tem doutorado em Psicolinguística pela Unicamp e atualmente é pesquisador vinculado ao CNPq (nível 1D) e professor do curso de Pedagogia no Centro de Educação da UFAL. É autor dos livros Autoria: a criança e a escrita de histórias inventadas (Eduel), Escutar o invisível: escritura & poesia na sala de aula (Unesp) e organizou a obra L’école,l’écriture et la création: Études franco-brésiliennes (L’Harmattan-Academia).

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas clicando no botão abaixo.


Mais informações: (16) 3315 0368 ou iearp@usp.br.

Suicídio e suas causas são tema do USP Analisa


Falar sobre suicídio foi considerado um tabu durante muito tempo. Atualmente, com o crescimento das mortes entre jovens em decorrência desse problema, o tema passou a ser mais abordado como forma de prevenção. Para discutir esse assunto, o USP Analisa desta semana recebe a professora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP Kelly Graziani Giacchero Vedana.

Ela explica que o suicídio tem múltiplas causas, tanto entre adultos quanto jovens. Enquanto transtornos mentais, histórico de violência e doenças incuráveis são desencadeadores do problema na população em geral, fatores como bullying, impulsividade e dificuldade de lidar com as próprias emoções aparecem entre as faixas etárias menores. “O sofrimento não tem cara e quando a gente olha para um adolescente cheio de vida, bonito, com várias características que muitas vezes não revelam esse sofrimento, a identificação fica mais difícil“, afirma a docente.

Além da prevenção, ela destaca a necessidade de suporte às famílias que perderam um ente em virtude de suicídio. “Na nossa sociedade, hoje, temos uma grande dificuldade de lidar com assuntos que envolvem a morte, o suicídio e o luto relacionado ao suicídio. Ele ainda é mais complexo que outras formas de luto. A pessoa que perde alguém está diante de dois tabus: a morte e o suicídio. Às vezes, as outras pessoas próximas se afastam um pouco por não saberem como lidar. Essa pessoa precisa ser apoiada, porque a tendência é que a dor dela se torne, sim, mais suportável, que ela consiga ressignificar, lidar com aquela experiência e seguir em frente”.

O programa vai ao ar na Rádio USP em três horários: sexta (28) às 11h30 (somente para Ribeirão Preto), quarta (3) às 21h e domingo (7) às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.