Controle sanitário de alimentos é tema do USP Analisa

Boa parte da população brasileira desconhece como é feito o controle sanitário de alimentos no País, um processo importante para garantir a qualidade do que está chegando à mesa das pessoas e também a saúde pública. O tema ganhou visibilidade no ano passado, com a Operação Carne Fraca, que expôs um esquema de corrupção envolvendo fiscais sanitários e empresas do setor de carne, e mais recentemente com a Operação Trapaça, que apontou fraudes em laudos sobre presença de salmonella em alimentos para exportação. Para falar sobre esse tema, o USP Analisa desta semana traz o professor Eduardo Saad Diniz e as doutorandas Victória Vitti de Laurentiz e Sofia Bertollini Martinelli, todos da faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP.
Eles explicam que esse controle é feito de forma compartilhada por três órgãos: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Ministério da Agricultura e Pecuária e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). “Na verdade, existe hoje uma grande crítica à forma como esse modelo se estabelece. Há uma desarticulação entre esses órgãos, uma falta de transparência que muitas vezes conduz a uma baixa efetividade na regulação de alimentos em matéria sanitária”, diz Victória. “Há também a questão de sobreposição de normas, porque muitas vezes esses órgãos editam normativas sobre os mesmos temas”, complementa Sofia.
Segundo eles, as operações Carne Fraca e Trapaça não alteraram o padrão de consumo de alimentos e nem mesmo trouxeram uma preocupação permanente em relação à segurança dos produtos que são consumidos, mas em comparação com outras operações mudaram a reflexão sobre o dano causado. “A gente tem na Lava Jato uma vitimização invisível. Você não se sente vítima dela, porém é cotidianamente vitimizado por ela. No rompimento da barragem da Samarco em Mariana, a vitimização é difusa, há distintas possibilidades de dano postas ali vitimizando as pessoas, o dano social, econômico e até custos morais e sociais. A grande novidade da Operação Carne Fraca é que o dano é concreto, está no seu prato de comida e essa é a grande oportunidade que a gente tem de resgatar o sentido da crítica à organização social do alimento no Brasil”, diz Diniz.
O programa vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (15), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo na quarta (20), às 21h, e no domingo (24), às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Apresentação do Programa ASTRo

Data: 21 de junho, às 14h
Local: Espaço de Eventos do IEA-RP
Clique aqui para se inscrever


A Agência USP de Inovação (AUSPIN) e a Roche, com o apoio do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto da USP (IEA-RP), promovem no dia 21 de junho, a partir das 14h, no Espaço de Eventos do IEA-RP, uma apresentação sobre o Programa ASTRo - Applied Sciences Trail Roche.

O evento tem como objetivo explicar o funcionamento dessa iniciativa de aceleração de grupos de pesquisa promovida pela indústria farmacêutica suíça Roche e pela Fundação Instituto de Administração (FIA). 

O Programa ASTRo vai selecionar seis grupos de pesquisa ligados a uma instituição científica, tecnológica e de inovação que desenvolvam pesquisa em tecnologias com impacto direto na saúde, como tratamentos inovadores, medicina personalizada, novos biomarcadores, modelos ou soluções de big-data ou soluções focadas em prevenção. 

Esses grupos passarão por um acompanhamento de 12 semanas com atividades envolvendo desenho de proposta de valor, construção de plano experimental e de pesquisa, definição de modelo de negócios e plano de comercialização.

Os interessados em participar do evento podem se inscrever gratuitamente neste link. Mais informações: iearp@usp.br | (16) 3315-0368.

Saúde, inovação e desenvolvimento

Data: 20/06 às 14h
Local: Salão de Eventos do Centro de Tecnologia da Informação da USP Ribeirão Preto (CeTI-RP)
Inscrições: Clique aqui


A saúde tem conquistado, nos últimos anos, reconhecimento em relação a seu papel no crescimento econômico e na competitividade da indústria nacional. Por isso, o Complexo Econômico-Industrial da Saúde (CEIS) tornou-se prioridade para diversos setores do governo federal. 

Para discutir esse cenário, o Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto realiza no dia 20 de junho, a partir das 14h, no Salão de Eventos do Centro de Tecnologia da Informação de Ribeirão Preto (CeTI-RP) da USP, a conferência “Saúde, inovação e desenvolvimento: a perspectiva do Complexo Econômico-Industrial e da Saúde”.

O palestrante, o analista de gestão em saúde pública da presidência da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Carlos Grabois Gadelha, vai mostrar a importância da inovação na perspectiva desse Complexo, que reúne segmentos industriais de bases química e biotecnológica (indústria farmacêutica, vacinas, hemoderivados e reagentes para diagnóstico); mecânica, eletrônica e de materiais (equipamentos e materiais médicos); e pelo segmento de serviços, ou seja, a mão-de-obra hospitalar, laboratorial e de serviços de diagnóstico e tratamento.


Carlos Grabois Gadelha: doutor em Economia pelo Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente coordenador e líder do Grupo de Pesquisa sobre "Complexo Econômico-Industrial e Inovação em Saúde” da Fundação Oswaldo Cruz (GIS/Fiocruz), foi também vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, secretário de Programas de Desenvolvimento Regional do Ministério de Integração Nacional, secretário de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde e secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial no Ministério do Desenvolvimento Industrial e Comercio Exterior.

Mais informações: jhenrique@usp.br ou (16) 3315-0368.

Big Data gera valorização da estatística


Uma ciência que não vive somente de cálculos, mas ajuda a transformar dados em informações que podem ser aplicadas em diversas situações. Essa é a estatística, profissão cada vez mais valorizada pelo mercado e requisitada em diversos setores. Para falar sobre essa área do conhecimento e sua importância, o USP Analisa desta semana traz o docente do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da USP Francisco Louzada Neto.

Ele explica que os estatísticos têm sido valorizados em virtude do Big Data, uma grande massa de dados disponível atualmente gerada por processos como transações on-line, posts em mídias sociais e sinais de GPS de celulares, entre outros. “Nesse novo mundo onde a ordem de grandeza dos conjuntos de dados é imensa, a estatística tem papel fundamental para promover a utilização de metodologias eficazes que possam ser usadas para reverter dados em conhecimento útil para tomada de decisão. Isso tanto para uso pessoal quanto para uso profissional também”.

Segundo Louzada, a aplicação da estatística para promover melhorias em processos, produtos e serviços acaba gerando reflexos no próprio Produto Interno Bruto (PIB) dos países. “Pensando em termos de ciências matemáticas, englobando por exemplo matemática aplicada, estatística e computação, estima-se que 15% do PIB da França e 16% do PIB da Inglaterra provêm da utilização das ciências matemáticas dentro das empresas. Nós não temos esses cálculos aqui pro Brasil. Mas com certeza essas ciências colaboram imensamente para o aumento do PIB do país”.

O programa vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (8), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo na quarta (13), às 21h, e no domingo (17), às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Salão de Ideias "Psiquiatria: Tragédia e Artes"

Data: 26 de maio
Horário: 17h
Local: Centro Cultural Palace (Rua Duque de Caxias, 322, Centro)


O coordenador da Rede Ciência, Arte, Educação e Sociedade (Cienartes) do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP Norberto Garcia-Cairasco será um dos apresentadores da palestra "Psiquiatria: Tragédia e Artes", que será realizada neste sábado (26), às 17h, no Auditório Pedro Paulo da Silva do Centro Cultural Palace, em Ribeirão Preto.

Cairasco dividirá a palestra com a jornalista Daniela Arbex. Eles vão abordar a psiquiatria nos tempos dos hospícios, manicômios ou hospitais psiquiátricos. O evento integra a programação do Salão de Ideias da 18ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto. A entrada é gratuita e sem necessidade de inscrição. Os ingressos devem ser retirados no local uma hora antes do início da palestra.

Norberto Cairasco é biólogo, mestre e doutor em Ciências/Fisiologia (Neurofisiologia) pela FMRP-USP, pós-doutor pelo Duke University Medical Center/USA e orientador pelo PPG de Excelência Neurologia e Neurociências da FMRP-USP. É pesquisador e coordena o evento S.O.S: O Cérebro na Praça (aberto ao grande público) e a Rede Ciência, Arte, Educação e Sociedade.

Daniela Arbex é repórter especial do jornal Tribuna de Minas. Possui mais de 20 prêmios nacionais e internacionais, entre eles três Essos, o IPYS de melhor investigação da América Latina e o Knight Internacional. Estreou na literatura com Holocausto Brasileiro (Prêmio de Melhor Livro Reportagem do Ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte/ Segundo lugar no Prêmio Jabuti/ Livro Reportagem) – obra adaptada como documentário, lançado pela HBO em 40 países. Foi vencedora do prêmio Jabuti com o livro reportagem Cova 312. O mais recente, Todo Dia a Mesma Noite, já está entre os 20 livros mais vendidos do país.

Consumo de transgênicos é tema do USP Analisa


O consumo de alimentos feitos com produtos transgênicos ainda traz preocupação a boa parte da sociedade brasileira. Afinal, todo produto transgênico faz mal à saúde? Para esclarecer essa questão, o USP Analisa desta semana conversa com o doutorando em Biologia Celular e Molecular da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP Relber Aguiar Gonçales.

Segundo ele, o preconceito em torno dos transgênicos ainda é grande, mas em alguns casos, eles são fundamentais para a saúde. “Boa parte das pessoas não sabe, mas a insulina é um produto transgênico. Ela é produzida por uma bactéria e tem as mesmas características que a insulina humana. Diabéticos do mundo inteiro utilizam essas moléculas produzidas de forma transgênica”.

Relber explica que transgênicos produzidos no Brasil são regulamentados pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) desde 2005. “Isso veio justamente para proteger as pessoas e para todo mundo entender que não há riscos no consumo de transgênicos. Um produto como esse leva de 10 a 13 anos para chegar às prateleiras e ser comercializado. Acho que nós, brasileiros, precisamos confiar em nossos cientistas. Temos um time de pesquisadores com conhecimento sólido nas universidades”, diz ele.

A entrevista vai ao ar na Rádio USP Ribeirão Preto nesta sexta (25), a partir das 12h, e na Rádio USP São Paulo na quarta (30), às 21h, e no domingo (3), às 11h30. O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP.

Exibição do documentário "Além do Lixo"

Data: 23/05, às 12h45
Local: Espaço de Eventos do IEA-RP
Fotos: Clique aqui

O Projeto PUB "Recriações em torno do lixo" promove nesta quarta, dia 23, a partir das 12h45, no Espaço de Eventos do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP a exibição do documentário "Além do Lixo".

O vídeo, de 15 minutos, retrata a visão dos catadores de materiais recicláveis de Esmeraldas (MG) sobre os resíduos publicitários e faz uma reflexão sobre as relações de consumo na sociedade atual. Após a exibição, haverá um debate sobre o tema.

O evento é gratuito e as inscrições podem ser feitas neste link. Mais informações: karinasarti@outlook.com ou amandacmonsalve@gmail.com.